Loading...
Loading...

domingo, 25 de junho de 2017

Conversa de Mãe


Conversa de Mãe

     Luas, histórias e canções,
Faz-de-conta de não contar;
Ela vem com as percepções
E logo se põe a dialogar,

Conversa por entre orações,
Que ela virá a te adivinhar,
E dizer entre explicações
Qual é o caminho a se trilhar.

É o instinto calmo das nações
Do Imenso universo a afagar
Sem medidas ou pretensões;
Maria chama Jesus ao lar.



sábado, 24 de junho de 2017

Desassombrar


Desassombrar

A conotação musical
Acontece sem esperar
E cria a sensação de espiral
Que contagia a alma a se agitar.

Com intensidade formal,
Obriga-nos a sussurrar
De encontro ao ar, numa angelical
Alegria, uma emoção a passear

Numa poesia que é universal,
Desdobrando-se a  se afinar
À emoção desproporcional,
Que, na alma, vem a se encontrar.

Nesse momento, o trivial,
Desce ao tempo a se transformar
Numa questão fundamental,
E chega para desassombrar.

É o enlevo ao supernatural
Quem cochicha a se aproximar
Numa abstração ao convencional;
E canta a alma a se iluminar. 

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Enfeite


Enfeite

A bondade do ser
É possibilidade
Que permite crescer
E enfeitar realidade.

Esse chão a percorrer
Necessita a vontade,
E se faz florescer
Com espontaneidade.

É se desenvolver.
Com beleza e humildade
Ao que se há de fazer
Co'a sensibilidade.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Esplendor


Esplendor

Penso calor
E me enterneço
Por predispor

A alma em multicor
E me mereço.
Bordado avesso

De um esplendor;

É um recomeço. 

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Edificador


Edificador

Edifique o dia,
Seja como for,
Ou com alegria,
Ou com por favor

E siga essa via
Com frio, ou, com calor.
O amanhã se avia
Com gestos de amor

E benfeitoria,
Sendo um construtor;
Seja o que seria
Num dia de louvor. 

terça-feira, 20 de junho de 2017

Céus de Cetim


Céu de Cetim

Os dias assim,
Bons e esforçados,
Feitos assim,
Tão delicados,

São, num jardim,
Iluminados,
Sem que haja fim.
São rebuscados

Tons de alecrim
À água dourados;
Céus de cetim,
Cantarolados.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Pesquisa de Satisfação / Comentário


Pesquisa de Satisfação / Comentário

     Recebo pesquisas de satisfação do consumidor com relação a esse ou aquele produto.
     Eu, sinceramente, gostaria que existisse um cronograma para essa pesquisa, primeiro a entrega do produto e depois a pesquisa. O site é confiável e a loja é correta, mas primeiro o recebimento do produto anotado pela empresa e depois o envio da pesquisa eletrônica  sobre a satisfação do cliente com o produto.
     Recebo outra pesquisa sobre a minha satisfação com o telefone fixo e, de repente eles perguntam se a minha televisão é de plasma, lcd, hdmi ou com tubo de imagem? A minha televisão com tubo de imagem já se foi e faz bastante tempo e eu não tenho cinema em casa, mas ir até a televisão para saber das suas qualidades para responder uma pesquisa de telefonia? É demais.
     Outra pergunta que é cansativa é saber quantos rádios você têm e inclua-se na pergunta todos os rádios de todas as idades, até mesmo aqueles que você deixou de lado por estarem obsoletos, Se perguntassem o que é que eu acho dos MP3 portáteis que têm que se carregados na tomada, eu responderia que os preferia à pilha e que senti muito quando o meu MP3 à pilha deixou de funcionar definitivamente após dez anos de uso.
     Enfim, deixei essa pesquisa pela metade e a outra perguntando sobre o produto, sem fazer.
     A pesquisa para o consumidor, é boa vontade, mas para o proprietário da loja, é muito importante. As pesquisas visam a um melhor atendimento por parte da empresa ao consumidor, não é para ser levada na brincadeira.
     Depois que a gente responde, eles podem mudar as estratégias de vendas, as propagandas, investir recursos em melhorias eventuais.
     Detecto, no entanto, um problema com o setor responsável pelas pesquisas de satisfação. Acompanham o pedido pela internet a empresa e o consumidor. Se a pesquisa é automática, o que custa esperar o site informar que o produto está entregue ao setor de pesquisa. Para que tantas perguntas alheias ao serviço prestado ao consumidor.
     No caso, eu não comprei rádio e nem televisão e, em resumo, eu não tenho que responder a essas perguntas para atender uma chamada telefônica ou realizar uma chamada telefônica. A pesquisa estava interessante, comparativa e competitiva, mas eles estragaram com a vontade de responder. Não tenho motivo para ir até à televisão, virá-la e olhar o modelo e a tecnologia para responder uma pesquisa direcionada ao telefone. A compra da televisão não foi um momento marcante na minha vida, foi uma despesa porque a outra televisão antiga pifou e o conserto era mais caro que a compra de uma nova.
     MP3, desses populares, eu fui comprando e me arrependendo porque a bateria dura quatro horas e eu quero um MP3 que resista à minha vontade de ouvir música continuamente. Eu não gosto de ouvir música ao celular, a não ser que fique muito gritante portar um celular e um MP3 e existem locais onde essa situação  parece mania.
     As empresas de pesquisa precisam ouvir o consumidor também em relação a elas mesmas e o quanto podem melhorar para realizarem uma pesquisa rápida e eficiente.
     Uma das pesquisas responderei mais tarde. A outra, simplesmente desisti e o motivo é a sua complexidade desnecessária.
     Um texto para hoje. 

domingo, 18 de junho de 2017

Bilheteria


Bilheteria

O ser e o porquê,
A filosofia
E por que se crê
Sem idolatria;

O que se ouve e vê
E a caligrafia
Que fica à mercê
Da historiografia,

Perfeito clichê
Que diferencia
Filme e matinê
Da bilheteria.

sábado, 17 de junho de 2017

Casual


Casual

O cansaço,
Num feriado,
É normal.

Conversado,
Apressado,
Desigual.

Cada passo

É casual

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O Que Eu não Digo

O Que Eu não Digo

Eu não te obrigo a orar
Porque isso é um contra senso;
Bom é ao próximo amar
Sem nada esperar, penso.


Para que concordar,
Se começa um dissenso,
O fazer a agradar
Sem estar-se propenso.


Cada um tem o acordar
Que o faz sentir intenso,
Mas tenho a discordar
Que obriguem a outro censo.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Parar, Pensar, Relaxar


Parar, Pensar, Relaxar

Junte preguiça e feriado,
Trânsito congestionado,
Parar, pensar, relaxar
Saber ser, deixar estar;

Sentir-se desapressado
Com gente por todo lado,
Para cansar de vagar.
E sem sair desse lugar

Num dia para estar folgado,
À vontade começado.
Fomos todos descansar
Na mesma rua e lugar.



quarta-feira, 14 de junho de 2017

Palimpsesto


Palimpsesto

Grifo ao texto
E um contexto
Se enaltece,
E parece

Que é digesto;
Esse gesto
É o que aquece
Toda prece

Sem pretexto.
Palimpsesto
Que emudece
E agradece.

terça-feira, 13 de junho de 2017

A Prática e o Estado de Espírito

A Prática e o Estado de Espírito

     Foi uma conversa simples e rápida onde se ouviu:
     _Isso não muda nada.
     A essa resposta, permita-me responder com vagar. Existem acontecimentos espirituais, lá no fundo da alma, que ninguém vê, pois não se trata de ânimo para fazer ou deixar de fazer aquilo que se tem por fazer. Visivelmente nada muda, mas invisivelmente, traz uma enorme sensação de paz, paz essa que é possível transmitir aos conhecidos e a todos aqueles com os quais encontramos no dia a dia.
     _Sim, mas cada um cumpre com as suas obrigações do mesmo jeito.
     Essa afirmativa é parcialmente correta, pois pessoas boas cumprem com as suas obrigações, mas não do mesmo jeito. Cada um cumpre as suas obrigações com a liberdade de começar e terminar dentro de um período, Mas à sua maneira. A alma não é obrigada a ficar comparando o seu crescimento com o do outro, mesmo que esse crescimento espiritual seja igual, o que faz que cada um consiga superar diversas barreiras de tempo que essa própria consideração traz.
      _Por que ficar feliz porque o outro está realizando as tarefas dele?
     Olha que pergunta de duplo sentido e que resposta impalpável essa que me veio à cabeça: o outro cumpre com as obrigações dele porque sempre as cumpriu, então o que poderia ser fardo se transforma em leveza, é algodão e não o magoa. As minhas tarefas cumpro-as igualmente porque é costume. A diferença é que ninguém vê o que está ao lado da alma, que são a compreensão e o respeito.
    Uma conversa abstrata não prossegue, porque a maioria das pessoas gostam do que é visível e palpável e na prática nada mudou.
     Aí surge uma terceira alegria que é a de perceber a alma e sabê-la pulsante e invisível.
     Outra alegria é saber que todos ficam bem com essa mudança que não aparece na prática.
     _Mas, e as tarefas, quais as diferenças?
     Até mesmo as diferenças nas tarefas são invisíveis, posto que é crescimento e evolução.
     Pelo menos saibam que é possível tal situação harmônica, é com esse objetivo que o escrevo.
     São acontecimentos que envolvem algo a mais da nossa natureza humana, pois é humano ter alma e é invisível quando a natureza, embora consciente, não traz o que está à alma ao plano prático e palpável em algum acontecimento.
     Sem mais delongas filosóficas, saibam que é possível.
    

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Intervalo


Intervalo

Essa frase quadrada,
Nada remodelada,
É gostar de estudar.


Passo a passo inspirada
Na rotina levada,
A quem queira apreciar.


A hora certa dobrada,

Que alegria sabe dar.

domingo, 11 de junho de 2017

Amadorismo


Amadorismo

Papel de fotografia,
Essa forte alegoria
Daquilo que se viveu,

E onde se imprime a alegria
De editar a fantasia,

Mas quem sabe a correria

D'uma foto, e o que valeu?

sábado, 10 de junho de 2017

Meridiano


Meridiano

Durmo pensando piano
E o intelecto quer mais
Momentos especiais
Em todo o quotidiano;

Diria até suburbano,
Com paixões cadernais
De esforço sobre-humano
Com ideias celestiais,

Em meio ao trânsito urbano,
Cujos pontos cardeais
Vem do som meridiano;
Canções adicionais.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Macio


Macio

Voa o tempo,
É frio,
Comento.

Vou lendo
E o amplio
E o invento;

Momento

Macio.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Uivo


Uivo

Nem o relógio concorda
Com esse tom entristecido,
E diz que a nuvem engorda
A chuva, o susto e o alarido.

A janela treme e acorda
Ao vento maior que o chovido
Enquanto o relógio borda;
É madrugada ao sentido

Do sono não convencido
De dormir. O som transborda
Naquilo que vem ao ouvido
Sem cor; um uivo recorda.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

O Conflito Tecnológico / Crônica do Cotidiano


O Conflito Tecnológico / Reflexão

     Estou aqui me atualizando em tecnologia, com alguns problemas caseiros para resolver e surgiu essa ideia.
     Estamos, enquanto humanidade, em meio ao início do conflito tecnológico. Tudo é prático, confortável e, agora, também pode ser falso.
     As informações cotidianas estão por demais informatizadas e é preciso que contatemos uns com os outros, ideia essa que nos desconforta, pois é mais fácil não abrir o computador do que resolvermos as situações que se nos apresentam.
     A tecnologia está conseguindo proezas inimagináveis. Tenho um telefone que é de uma operadora e está funcionando como se fosse de outra operadora e pedi a portabilidade porque não tenho contrato com a operadora que está operando o meu telefone.
     No começo, eu não conseguia atender a um telefonema e, depois de muitos pedidos, consegui que o telefone funcionasse. Liguei dele para um número conhecido e, pronto, apareceu a operadora que está, sim ainda está operando o meu telefone.
     Antigamente a isso chamaria-se linha cruzada, hoje creio que posso chamar de sinais tecnológicos cruzados.
     Com a portabilidade espero solucionar o problema que não é só meu, mas também da antiga operadora desse telefone que está com o sinal de outra operadora de telefone.
     É uma situação conflitante.
     Tenho mais situações tecnológicas conflitantes, mas por enquanto fico somente com essa situação.
     A tecnologia foi criada para simplificar a vida das pessoas, mas agora, como se fosse antagônica ao princípio para o qual foi criada, volta-se contra a própria empresa e, por conseguinte, o seu consumidor.
     Nesse caso, a informação do consumidor é verdadeira e da empresa também é verdadeira, mas não se sabe de onde apareceu o defeito de sinal.
     Por mais absurdo que pareça, quem pediu para que fosse feita a portabilidade foi a própria empresa de telefonia.
     O problema é sério e somente com o pedido de portabilidade ela poderia fazer os testes para verificar de onde vem a interferência no sinal. As informações do sistema estavam erradas e o limite de ligações não havia sido excedido.
     _Por favor, a senhora peça a portabilidade, nem que seja por pouco tempo, porque nós precisamos verificar o sistema e o seu pedido de portabilidade muito poderá nos ajudar.
     Enfim, eu pedi a portabilidade e ficarei aguardando que seja efetivada.
     A empresa para qual o telefone foi mudado já ligou e perguntou sobre a operadora antiga, porque há uma contradição entre o pedido com o nome de uma operadora e o sinal da outra operadora.
     Há mais ou menos dois dias eu passei a conseguir fazer ligações e receber ligações. Não pretendo pagar nada a operadora à qual o telefone não pertence.
     Esse é o tipo de problema que causa fadiga e não se pode culpar ninguém.
     O futuro assusta, visto dessa maneira.    

terça-feira, 6 de junho de 2017

Paisagem


Paisagem

Espelhava algum vestido
O casaco leve e solto,
E surgia um novo sentido
A essa rua de frio envolto

Ao destino prevenido.
Esse olhar para tão pouco,
Num olhar descontraído,
De sonhar tão desenvolto,

Viu no sol um céu cingido
De amarelo em tom amouxo,
D'um azul quase exibido,
Refletindo o seu refolgo. 

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Areia


Areia

Forma plástica é areia,
Movediça, moldada;
Ao vento segredada,
 E ao fogo não incendeia,

Antes se faz mareia
Em ondulação azada
À água indisciplinada
Em formato sereia

Quando não é maré cheia,
Ou, quem sabe, embarcada,
Displicente e calada,
Mas, jamais, naufragada.

domingo, 4 de junho de 2017

Lojas Virtuais / Comentário


Lojas Virtuais / Comentário

     O comentário é sobre o comentário dos consumidores nas lojas virtuais.
     Moro numa cidade fria e, tenho aquecedor. mas me distraio olhando as vitrines das lojas virtuais pela internet e leio o comentário dos consumidores sobre um ou outro produto ou serviço.
     Li alguns comentários que reclamavam do chiado e da luz do aquecedor porque os impedia de dormir. Esses consumidores colocaram o aquecedor no quarto, ligaram e foram dormir. Dormir? Sim, dormir.
     Parabenizo os fabricantes de aquecedores que colocam luz indicativa de acendimento e deixam o chiado para atrapalhar o sono. Graças a eles, eu não perco o meu sono preocupada com aquecedores nas redondezas.
     Inclusive, sugiro que o produto venha com um aviso indicando se ele pode ou não pode ficar ligado durante a noite enquanto a família dorme.
     Eu acredito que seja falta de informação o que leva alguns consumidores a arriscarem-se com um produto típico das regiões onde o inverno é rigoroso.
     Talvez por ser mais velha, ou, melhor informada, mas o fato é que fiquei estupefata com esses comentários.
     Aprendi desde cedo a , se caso fosse cozinhar, a ficar na cozinha durante o cozimento dos alimentos. As moças jovens têm laptops e podem muito bem instalar-se nas cozinhas com eles enquanto cozinham. Se for possível, pois esta é uma arte que, pessoalmente, nunca tentei fazer.
     Mudando de lugar e voltando ao aposento de repouso, é de uma ingenuidade absurda permitir um aquecedor ligado enquanto se dorme.
     O consumidor precisa de esclarecimentos e as propagandas podem ajudar a esclarecer quando e onde usar o produto.
     É mais absurdo que tenhamos tantas informações desnecessárias ao alcance das mãos através da internet e não tenhamos informações úteis.
     Talvez as pessoas não saibam por falta de necessidade, tenham vindo de lugares quentes onde o ventilador fica ligado a noite inteira.
     Também não os culpo, pois até hoje não sei para que serve o umidificador de ar. Na minha cidade chove bastante e o umidificador de ambiente é desnecessário.
     No mais, os cometários sobre os produtos e serviços ajudam muito na hora da escolha feita antes de ir à loja.
     Particularmente penso que seria bom se os consumidores fizessem uma avaliação, mesmo que sucinta, sobre o produto adquirido.
     Se juntarmos num pacote as recomendações do fabricante, a informação do lojista e a avaliação do consumidor, podemos ter uma noção daquilo que o produto realmente oferece e se vale adquiri-lo.
     Uma ideia que achei genial é a demonstração do produto via Youtube. Recebi uma propaganda de móveis modernos para espaços pequenos repletos de criatividade e originalidade. Fiquei encantada porque é um vídeo que sugere e acrescenta espaço aos ambientes só pelo fato de ver a publicidade desses produtos.
     A casa é um espaço fixo, mas a ambientação aceita a criatividade para otimizar o espaço disponível.
     Com tantas ideias de casa para compartilhar, resta pedir um favor, desligue o aquecedor antes de deitar; compre mais um cobertor ou, a última invenção, um roupão de plush (também visto numa propaganda).
     Ideias para diminuir o frio não faltam, vamos cooperar com todos os outros, inclusive comprando um casaco e doando um antigo em algum lugar.
     Nem tudo custa caro e as meias de plush para dormir, por exemplo, conseguimos comprar com poucos reais. Vejam as propagandas e leiam os comentários. Existem lojas mais caras e lojas mais baratas que nem site na internet têm, é uma questão de disposição de sair e pesquisar para comprar o que melhor lhe convém.
     Bom domingo para todos.  

sábado, 3 de junho de 2017

Ânimo


Ânimo

Laceio o passo,
A calçada
E o cansaço

Medido em laço
E a passada
Num abraço,

Pois me faço

Compassada.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Miudezas

Miudezas


Chuva conhecida
Aparece amiga
Num frio de encolher.

Quase sensitiva,
O que não te intriga;
Faz por ti tecer

Em lã, que se diga;

É dia de chover.


quinta-feira, 1 de junho de 2017

Questão de Semântica


Questão de Semântica

     Telma saiu do escritório e observou o carrinho de cachorros-quente com um letreiro um tanto quanto desproporcional dizendo :Cachorro-Quente Telma eu não sou gay.
     Olhou, saiu e não comprou cachorro-quente.
     Começaram os comentários no escritório e Telma, incomodada, foi comprar um cachorro-quente.
     O vendedor perguntou o nome dela e ela disse que se chamava Telma.
     _Telma, me ajude. Estou sofrendo com comentários e isso está prejudicando a minha família.
     Ela disse que não era advogada.
     _Você não precisa ser advogada, basta se chamar Telma.
     A moça perguntou o que poderia fazer para acabar com o comentário dizendo que o vendedor de cachorro quente era gay. Pensava que nada poderia fazer por ele.
     _Eu preciso de ajuda. Estou a ponto de acabar com o cachorro-quente e vender hamburguer. Eu quero que você diga que compra o lanche num carrinho de cachorro-quente de um homem.
     Telma disse que se dissesse muito à favor do cachorro-quente dele, o problema dos comentários seria dela.
     _Eu não vou vender croissant por causa dos comentários.
     Telma disse que não exaltaria o cachorro-quente dele de nenhuma maneira, pois ele era praticamente um desconhecido para ela.
     Além disso, perguntou por que o carrinho de cachorro quente tinha o nome de uma música do Ney Matogrosso.
     _São mensagens subjetivas de meu interesse. Eu não quero me defender porque a minha defesa criará uma polêmica cujo prejuízo será maior ao meu cachorro-quente do que se eu conseguir alguém que se chame Telma para dizer bem a meu respeito.
     Telma disse que não iria ajudá-lo.
     _Arranje um jeito para se defender.
     Ele disse que iria vender hamburgueres.
     Telma, entretanto, contou do problema no escritório.
     Os colegas encontraram uma solução.
     _Mande o homem frequentar algumas panificadoras e açougues e diga a ele para conversar sobre si mesmo com os outros sem contar pormenores de si mesmo.
     Telma assim fez.
     O carrinho de cachorro-quente desapareceu da frente do escritório.
     Passado algum tempo, Telma encontrou o vendedor de cachorro-quente.
     O problema parecia estar resolvido, mas o letreiro do cachorro-quente estava em inglês:
     _Guy's hot dogs. Em português também , com alguma modificação estava escrito: Cachorro-Quente do Guy.
     O antigo nome do carrinho de cachorro-quente estava modificado e todos ficaram sabendo que ele não queria problemas com artistas e estava usando o nome de uma canção famosa. 



Ps. Qualquer semelhança com fatos e pessoas ou nomes é mera coincidência. O nome da música proporcionou o contexto ideal para a ambientação do conto.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Transformação


Transformação

Quem não escolhe a caminhada
Nem o ponto de parada,
Cuida-se em pesquisar
O que e quando irá calçar.

O caminho faz calçada
À medida da pisada
E a trilha é o seu descansar
Porque há por onde passar.

Necessária é toda estrada
E atento está à encruzilhada,
Porque tudo é continuar,
Acrescer e transformar.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Diapasão


Diapasão

Esse abstrato
É o substrato
Da condição

D'algum retrato
Não correlato
E com razão;

Esse formato

É o diapasão.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Purificação


Purificação

A canção não para,
Antes, se depara
Com a situação;
Fala o coração

E a tecla dispara
Na cor de uma arara
Que voa na intenção
De ser a emoção

Que, às  vezes, é rara,
Mas que açucara
O sabor do pão.
Purificação.



domingo, 28 de maio de 2017

Luz Divina


Luz Divina

Por trás da cortina,
Luar é céu aberto.
Sem querer desperto
Em lua menina

Que não sabe a sina
Do que é mar incerto,
Ou rio ou chão deserto.
Em luz cristalina

Que se determina,
O horizonte é perto
E nada é tão certo
Como a luz divina.

sábado, 27 de maio de 2017

Comentário sobre a Parábola do Jovem Rico / "Vem e segue-me"


Comentário sobre a Parábola do Jovem Rico / "Vem e segue-me"

     Ao ler a Bíblia, deparo-me com esta parábola do Evangelho de Mateus: 19,21. Jesus pede para o jovem rico que abandone os seus bens e o siga.
     Nós, evangélicos, podemos ler a Bíblia, enquanto leigos e dela extrairmos pensamentos e reflexões pessoais, particulares em acordo com a existência que vivemos.
     Pode-se ler a parábola ao pé da letra e concluir que Ele não queria que ninguém fosse apegado unicamente aos bens materiais para que o pudesse seguir.
     Mas essa riqueza pode ser considerada como o orgulho e essa ilação cabe a nós, evangélicos.
     Se Jesus, por exemplo, lhe pedisse para deixar de ir até a igreja para segui-lo através da Bíblia. Como é que você reagiria? Ficaria triste, sentiria-se ofendido, magoado, pois você é uma boa pessoa e nada fez para que acontecesse tal pedido. Mas o pedido não te exclui Dele, ao contrário, te coloca mais perto Dele.
     Você certamente se sentiria pobre e nem se lembraria das Bem-aventuranças que Ele mesmo ensinou.
     Ele veio para te dar a vida e a vida em abundância, Ele não quer que você seja pobre, que você passe por necessidades, não é nada disso. Ele quer que você tenha o que é bom para você.
     A essa altura você pensa em transferir-se para outra igreja e acha que assim dará um jeito de conciliar o pedido Dele com a sua vontade e está errado. Mas, simplesmente, isso não é preciso e não é preciso porque não foi isso o que Ele pediu. Ele pediu para você se interessar mais por Ele do que pelas suas boas atividades, ora, ir à igreja é uma boa atividade.
     O ideal é ser cristão, não é ir à igreja como se vai à escola, embora a escola da igreja seja fundamental em algum momento da sua vida.
     Descobrir o que Ele quer que você faça por Ele, é ajudar a igreja e você chegou a ficar triste e pensar em mudar.
     Dificilmente alguém tem tanta certeza de estar no lugar certo até que compreenda o que Ele quer. Ele quis que eu fosse católica-evangélica, pois é a essa doutrina que os batistas seguem.
     Agora falo como se falasse comigo mesma e não tivesse os amigos que me leem.
     Conheço gente a quem Ele quis que fosse evangélica e gente que Ele quis que seguisse outros caminhos cristãos.
     Eu tive uma conversa interessantíssima sobre o assunto e cheguei à conclusão de que estou no melhor caminho e vou até a igreja todas as semanas, mas da maneira que Ele quer.
     Eu penso que a minha função perante Ele é andar com um pacote cheio de palavras boas e as distribuir por onde passar, inclusive dentro da igreja.
     A função da igreja, no entanto, é outra e esse assunto é para os religiosos e eu os chamo de escolhidos para essa função.
     Assim sendo, não importa o meu ânimo pessoal ou estado de espírito, eu distribuo palavras boas e que estejam fundamentadas em algum versículo ou parábolas do Novo Testamento. Essa é a minha tarefa.
     Essa não é tarefa de toda a gente. Eu tenho uma amiga que discorre sobre os provérbios do Antigo Testamento com profundidade; essa é a função dela. Ela não usa somente as palavras doces e de amor ao próximo; ela diz sobre o que pode ou não acontecer em decorrência das leituras dela do livro dos Provérbios. Eu reconheço o talento dela e sei que esse não é o meu talento. Conversar com ela é um aprendizado.
     Volto ao início, Jesus pede que abandonemos algo que consideremos como riqueza e o melhor caminho é segui-lo, mesmo que possamos ficar tristes por alguns instantes.
     O contato entre as igrejas é permanente e acredito que sabendo-se que o cristão segue o caminho por Ele vocacionado, a igreja, enquanto edifício também é edificada por Deus constantemente quando o cristão segue a Cristo conforme a vontade Dele.
     Enfim, a parábola, sob esse ponto de vista, pode ser lida de outra maneira. 
     

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Fotografias


Fotografias

Essas fotografias
São d'umas correrias
Do dia que já passou;
O que foi e o que ficou,

Mas não têm nostalgias.
São mais alegorias
Poéticas de onde estou,
Do que fiz e quem sou;

Retrato e fantasias
Que se impõe de alegrias,
Sorrisos que se doou,
Bom dia que se gostou.


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Aliança Para o Amor / Crônica do Cotidiano

Aliança Para o Amor / Crônica do Cotidiano

     Voo São Paulo - Curitiba. Há que se regressar, a casa é o lar.
     As companhias aéreas, ontem, em São Paulo, reuniram-se para o voo São Paulo - Curitiba.
     Os portões de embarque mudavam a cada cinco ou dez minutos. Pega a bagagem e muda de lugar até a hora do voo.
     Vamos aos pedidos de desculpas, e, pela ordem.
     O primeiro pedido de desculpas vai ao provocador lá fora, na área reservada aos que gostam de tomar ar e jogar conversa fora. Sim, eu mesma.
     As primeiras desculpas vão para as aeromoças, não sei de qual companhia aérea, mas quando o moleque olhou para a minha bolsa e me ameaçou com o olhar dizendo que se chegasse onde ele estava, eu perderia a bolsa e, depois de um viajante ter perdido dois mil e quinhentos reais - bom esse fato do furto dentro do local foi o que me fez dar uma volta lá fora. Encontrei um moleque e corri para junto das aeromoças, que foram solícitas, mas tinham que embarcar e disseram para eu ficar ali onde elas estavam depois que elas saíssem.
     As segundas desculpas vão para os agentes provocadores. Cada um tomou um dos lados de uma das ruas do aeroporto e, os carros que passavam, receberam seguidamente uma lata de refrigerante vazio atirados sobre os pneus.O que eles falavam como motivo de provocação eu não dizer especificadamente, mas reclamavam da falta de comando para botar ordem na casa. Extremamente cansada e sem pensar em medir palavras, reclamei para um taxista que estava por perto. Os agentes provocadores ouviram e um dos atiradores de lata, olhou para mim e disse:
     _O que?!
     Depois disso, largou a lata e veio atrás de mim. Corri para a porta de dentro e ele, de fora, gritou:
     _Entendeu? É isso! Isso é comando.
     Os avisos do aeroporto seguidamente pediam para não conversar ou dar dinheiro a ninguém que estivesse sem malas de viagem.
     Deixo os meus pedidos de desculpas por não saber exatamente do que se tratava, pois o meu celular não estava bem conectado à internet.
     O terceiro pedido de desculpas vai para o deputado paranaense que estava à minha frente dentro do avião. Pedi desculpas na hora, mas reitero o pedido de desculpas ao levantar a minha bagagem que estava sob o banco da frente e encostar com ela sobre ele. Desculpas sinceras. Ao colega dele, também, pois não houve a menor intenção de incomodá-los.
     O avião tinha vindo de Brasília e até a companhia Air China entrou nesse acordo, segundo os porta-vozes do aeroporto.
     Para especificar o voo sem dizer do qual se tratava, digo que eu estava naquele voo que se atrasou por alguns minutos, porque alguém comprou uma passagem, embarcou a bagagem e não compareceu ao voo. Por motivos de segurança, a companhia da Aliança Para o Amor decidiu por bem localizar a bagagem e retirá-la do avião que tinha mais de cem pessoas à bordo por motivos de segurança.
     Estava no voo Aliança Para o Amor por coincidência.
     À saída, o comandante da aeronave pediu para que os passageiro que vinham de Brasília se retirassem junto com os passageiros obrigatoriamente; o avião aterrissou ligeiramente brusco e, provavelmente teria que olhar os pneus.
     Boa leitura à todos nós que demos Graças a Deus quando o avião - quase boeing- desceu no Aeroporto paranaense.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Arqueologia



     Por enquanto fica a imagem. Depois a história completamente condizente com a época dos aquedutos romamos. Século I depois de Cristo.

domingo, 21 de maio de 2017

Agradável Surpresa / Crônica do Cotidiano


Agradável Surpresa / Crônica do Cotidiano

     Não que eu creia exageradamente, mas algo intervém e eu chamo essas intervenções inesperadas de Deus.
     Estávamos num grupo de pessoas e havia uma única pessoa que não falava português. Uma senhora de Mumbai, da Índia e ela só falava inglês.
     Comecei a conversar e tivemos uma boa conversa substituindo as palavras que não sabíamos exatamente o significado por similares que possibilitassem o diálogo.
     Conversa vai e conversa vem, ela me conta que é médica.
     Eu toco piano e cuido da casa, conforme não me canso de dizer e contei a ela, propiciando a ela até mesmo evitar de conversar comigo, mas não foi o que aconteceu.
     Ela continuou a conversar e eu perguntei a especialidade dela e ela é oncologista na Índia estando na cidade em turismo após participar de um simpósio - "simposium"para ela.
     Inteligente, perspicaz e observadora.
     Após horas de conversas até mesmo engraçadas porque eu estou resfriada e ela perguntou o que eu comprei na farmácia e eu mostrei a ela o pacote com o antigripal e ela me disse que o resfriado vai-se demorar porque o remédio não contém antialérgico, mas riu-se e disse que não estava aqui para trabalhar e sim para descansar.
     Por fim, ela me mostrou o telefone dela e pediu: Google it.
     É bom para quem lê, saber da possibilidade de uma conversa muito simpática entre médica e não paciente, mas conhecimentos de passeio.
     É o que eu faço agora, digo que tive uma conversa profícua com uma médica oncologista de Bombaim, da Índia.
     TAMBÉM CONVERSAMOS SOBRE JESUS, RÁ, SHIVA, MARIA E SOBRE A FÉ EM DEUS.
     O SER HUMANO, A FÉ, A MEDICINA, O PITORESCO E AS PAISAGENS QUE TIVEMOS.
     Um abraço a todos vocês.
     

sábado, 20 de maio de 2017

Varanda

Varanda

Preciso da varanda,
Nessa minha ciranda;
Deixar-me a bel prazer
Sem saber do sofrer.

Descobrir como se anda,
Fazer o que Deus manda;
Esperar  e viver
Conforme um não querer.

É boa toda quitanda
Onde tudo se arranja
Tendo ela a percorrer;
Ver a rua e me ler.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Conversa com o Espelho


Conversa com o Espelho

     São três espelhos ou quatro espelhos?
     Todos eles resolveram se tornar obras de arte e, as frases que eles me dizem são um absurdo.
     O primeiro deles disse que se eu era brasileira, o filho dela e ela eram de Tonga, numa referência ao atleta que fez sucesso nas Olimpíadas.
     Perto de um grupo de brasileiros o espelho começa a conversar em inglês e diz que eu estou acompanhando um amigo brasileiro para esse grupo de brasileiros?!
     Como assim dizer que os brasileiros não são polidos?
     Fui chamada de mentirosa por dizer que sou brasileira?! Eu que invente outra nacionalidade?!
     Outro espelho me diz que eu sou espiã porque falo em três línguas? Essa terceira eu arranho, mas sou bem compreendida, é o que importa. sem mau humor.
     Numa feira tecnológica tentam me vender um Porsche ou uma Ferrari, ou quem sabe um automóvel. Eu digo que sou brasileira e o vendedor pede desculpas, não teve a intenção de me ofender. Para quem não sabe, conto a novidade em primeira mão: em breve chegarão ao mercado automóveis movidos a três combustíveis: etanol (álcool, gasolina e energia elétrica). Isso mesmo, os novos postos de gasolina oferecerão energia elétrica para abastecer o tanque do carro, como incentivo para a transformação dos veículos em veículos movidos à eletricidade. O petróleo, enquanto combustível está com os dias contados. 
     Outro chega e pergunta se eu quero vender o ingresso e eu respondo na lata: "Compre o seu entrando na fila para comprar ingressos." Desde quando eu sou "Maria Gasolina?"
     Um terceiro espelho me surpreende: salada de lentilhas, pimentão, alface, azeitonas e atum de entrada, um filé de merluza acompanhado por legumes ralados e espinafre e, de quebra um profiterole mais os refrigerantes grátis por, pasmem: quarenta reais. Se eu quisesse vinho, o preço seria o mesmo, mas eu não bebo, gosto do meu estado de espírito com essa lucidez que perturba.
     Quando ouvi um casal que quer comprar um apartamento com duas "jacuzzi", fui ao supermercado. Jacuzzi é algo que só vendo para saber o que é. Este sim, o supermercado, é um espelho que se parece comigo.
     Um espelho endoideceu de vez e tentou conversar em alemão com o meu irmão. Três vezes. Ele disse que não fala alemão em alemão e começaram a rir dele.
     E ele a rir de mim, o meu amigo brasileiro.
     Ainda bem que existe supermercado para deixar a cabeça da gente em ordem. 
      
     

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mulher-Anjo

Mulher-Anjo

Essa especial entrada
Que não se pode entrar;
É a proteção velada
Pois há um anjo a cuidar,

Não pode ser falada,
Pode-se especular;
Verdade é segredada
Ninguém a vai negar;

Mas, se fica à essa entrada,
Que é perpendicular;
Toda mulher é alada,
Um anjo a se guardar.

Cova dos Leões


Cova dos Leões

Passeio por Roma antiga
Numa corrida com biga;
Numa cena imaginária
Nenhuma leoa é necessária.

Cavaleiro e sua amiga
Discordam sobre essa ambígua
Situação, César e vária,
Sobre a energia e a secundária;

O país é assunto de esquina,
Falam de Roma à barriga;
Não se responde sobre a ária
Nessa sua ópera diária.



segunda-feira, 15 de maio de 2017

domingo, 14 de maio de 2017

Significação


Significação

Essas palavras soltas,
Esparsas, desenvoltas,
Quando são proferidas
Envolvem acolhidas,

E são poucas, tão poucas
Que são luzes envoltas
Em pausas comovidas
Às emoções olvidas,

Mas preparam as solfas
E se parecem toutas
Precisas, definidas;
São as canções aludidas.

sábado, 13 de maio de 2017

Peixe em Cardume


Peixe em Cardume

Ando apressada,
Causa de nada,
Não, esse é o costume,
Meu vaga-lume.

Estou habituada
A ser ritmada
Por som e volume;
Esse é o meu lume.

Sou serenada,
Mas com passada
Que me presume;
Peixe em cardume.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Internet / Mesmo assunto


Internet / Mesmo assunto

     Muitos sites saíram do ar em consequência de um ataque de vírus. Alguns sites que tentei acessar estavam sem serviço até que fosse feita uma verificação de segurança.
     Seguro mesmo é se cuidar com a internet. Ontem fiz um download de aplicativo e até agora não consegui fazê-lo funcionar.
     Se tem esse lado ruim, tem o lado bom, que através de pesquisa de preços se consegue fazer boas compras, que são entregues em domicílio, que causam satisfação ao se verificar que são exatamente iguais ao especificado no site de vendas.
     Outro lado bom são os serviços oferecidos, os consertos em geral que uma casa precisa.
     A internet já propicia uma série de comodidades para se planejar o final de semana com cinema, cafés e sugestões diversas.
     No que tange às amizades virtuais, eu digo que conversar com os amigos pessoalmente é muito mais aprazível, mas também digo que quando se tem contato virtual e pessoal é melhor ainda, pois se pode entender uma ou outra postagem feita num dia mau para essa ou aquela pessoa.
     O mundo virtual não substitui o real de jeito nenhum, é ferramenta de apoio, mas a vida real depende da gente.
     Interessante como é que tem gente a fim de derrubar a internet com maus propósitos, tais como roubar senhas dos usuários.
     Aconteceu que o meu android apareceu com vários programas novos e ele mesmo disse se tratar de um tal de "joko" e pediu para desinstalar esses programas e eu desinstalei.
     Outro caso interessante é o do celular com anti-vírus que impede de fazer ligações telefônicas. Para fazer a ligação telefônica o usuário tem que desinstalar o anti-vírus, mas esse pedido pode vir de um vírus que era anterior à instalação do anti-vírus, algo que já aconteceu com o meu computador.
     Estou aproveitando para fazer as atualizações necessárias e às vezes acho que há excesso nessas atualizações, mas com esses ataques virtuais, é melhor que hajam atualizações.
     As conexões tem de ser reais, dizem os especialistas, mas poema é surreal.
     Hoje estou mais para o realismo de que para a subjetividade. A subjetividade nem sempre é propícia, pois a internet é paga e o consumidor não tem muita segurança e não sabe se o computador está protegido e essa é a melhor forma de se pensar no que tange ao computador e ao android, dizem os especialistas.
     Quanto a mim, acrescento que já obtive o que precisava sem saber que existia com tal qualidade para residências. Se eu continuo o assunto, eu começo a fazer propaganda e não é esse o meu objetivo.
     Com ataque cibernético ou sem ataque cibernético, cá estou eu na telinha aproveitando a sexta-feira e está valendo aqui estar, porque apesar de tudo, depende de mim que o lazer seja bom, o que é um sossego.
     

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Espelhos

 Espelhos

     Um espelho novo, um espelho antigo. O espelho antigo adivinha-me e me prevê. Pego o espelho antigo e mostro a quem está em casa. Surpreendente espelho que aumenta a autoestima do outro que não sou eu.
     Alguém nesta casa casa recebeu uma declaração de amor através de espelho meu, mas a declaração de amor não me pertence, apenas a espelho através de um espelho inesperado.
     Outro espelho me diz da dor que não é minha, mas também não é de casa.
     Espelhos que não confundem, mas mostram o amor e o desamor.
     E eu me espelho na alegria do amor ao outro dedicado através das palavras do que somente a verdade é capaz de responder.
     E eu me espelho na dor que não é minha e que precisa não ser minha, espelho do qual eu posso prescindir. Mas a dor do outro é tanta que me rouba o espelho à contragosto, para seu desgosto e um certo bem estar de minha parte.
     O meu espelho, porém, está oculto em percepções musicais etéreas; não sei mais porque tanto gostar das melodias; essas sim me espelham em cada nota observada com atenção.
     Se, esses espelhos, perguntam muito, têm algo a dizer.
     O amor ao outro me faz sorrir, embora mais parecido comigo do que com o outro.
     A dor do outro me faz sorrir porque o espelho foi roubado por bom ladrão. Que se entenda bom ladrão no sentido bíblico, aquele que rouba a dor do coração e faz sentir compaixão.
     O meu espelho, no entanto, foi sincero e disse-me que não me perca da canção que me espelha.
     Quem é que tem em casa um espelho só, ainda mais sendo mulher que se olha e se observa em qualquer espelho que encontre. 
     Quem é que, ao sair, não arruma jeito se se ver em espelho para ver como está ajeitado no andar?
     Eu só acho que três espelhos num dia só foi algo que mexeu comigo, mexeu mesmo.
     Devo dizê-lo.  

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ampulheta


Ampulheta

Quando a rotina passeia,
O relógio é bem cotado,
Compensado em hora e meia.

Num escasso grão de areia
De ampulheta recordado,
Um luz surge e permeia

E diz ao dia que clareia,

Que a rotina vem ao lado.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Na Quadra de Cima / Crônica do Cotidiano


Na Quadra de Cima / Crônica do Cotidiano

     Foi na quadra de cima de onde eu estava. Caminhava eu em direção à panificadora quando os gritos começaram.
     _Ladrão! Ladrão!
     Numa atitude completamente idiota parei na hora, no meio da quadra anterior, de onde eu não conseguia enxergar direito o que acontecia.
     Ouviu-se um tiro, mas ninguém na quadra de cima caiu no chão.
     _Um vagabundo desses merecia é um tiro certeiro, alguém gritou.
     Olhei em volta e mais alguns transeuntes estavam parados, aguardando os acontecimentos, mas ninguém correu para a quadra de baixo, a não ser os pedestres que estavam aguardando a vez de atravessar a rua. Esses pedestres correram para atravessar a rua.
     O alarme de um carro estacionado na quadra de cima disparou. Alguém entro e saiu do carro, mas não o levou.
     A sorte dos pedestres da quadra de baixo foi que o nominado ladrão resolveu fugir pela quadra de cima da quadra de cima.
     E, agora, pensando adequadamente, eu feito uma estátua olhando para a quadra de cima, e isso do meio da quadra de baixo e do meio da calçada. Acho que fiquei com falta de raciocínio.
     Parece que os funcionários dos estabelecimentos da quadra de cima saíram à rua porque eram umas dez pessoas gritando ladrão. Ninguém gritou "pega ladrão", mas simplesmente ladrão.
     Consegui sair da posição de estátua assim que os gritos pararam e ouvia-se apenas um rumor da quadra de cima.
     Fui até a panificadora e perguntei o que era aquela gritaria.
     A resposta foi coincidente com a minha perspectiva:
     _Ouvimos a gritaria, mas não saímos para ver, mas ficamos atentos ao movimento dos fregueses.
     Ainda bem que foi na quadra de cima, porque eu fiquei feito idiota na quadra de baixo, se bem que não houvesse nem um lugar para entrar, a menos que eu andasse na direção contrária, mas seria complicado e perigoso; tinha um ladrão na rua.
     Comprei os pães e voltei para casa. Perplexa.   

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Valores Humanos na Tomada de Decisões / Crônica do Cotidiano


Valores Humanos na Tomada de Decisões / Crônica do Cotidiano

     Ainda me sento para escutar histórias, bons conselhos e fatores que podem influenciar o cotidiano.
     Hoje ouvi uma palestra sobre a boa convivência baseada em valores humanos.
     O dia começou cedo e com ele um ensinamento que, até agora, até por não ser da minha natureza humana, eu não tinha prestado atenção.
     "O ser humano é muito adaptável às circunstâncias que o cerca e se acostuma à estupidez sem perceber. Quando percebe é porque já se acostumou a ela e a propagou, criando para si e para outrem um ambiente de convivência estúpido."
     O dia seguiu dessa maneira, com ensinamentos sobre valores humanos, independente de qualquer filosofia e teologia.
     "Podemos e devemos conviver com aqueles cujos traços de caráter são coincidentes em alguns pontos. Não se trata de bom ou mal caratismo, mas de maneiras de pensar similares e aceitáveis sob um ponto de vista de caráter comum que facilitam as relações interpessoais. Não se trata de discriminar outros pontos de vista, porque não é disso que o assunto trata. São hábitos como sentar-se para ouvir e contar histórias, por exemplo; tem gente que não tem a menor paciência para essa atividade e tem gente que gosta. Esses pontos de vista comuns ajudam a se obter melhores resultados em projetos pessoais e a suportar as frustrações com apoio mútuo."
     Valores humanos importam para a tomada de decisões pessoais, mesmo lembrando que o respeito aos divergentes é fundamental e o respeito, quando não obrigatório, é um traço de caráter, com variações importantes nas questões subjetivas que levam a bons resultados à condição de desenvolvimento pessoal mútuo.
     Sabe, hoje foi um dia que valeu cada minuto.
     "As dificuldades provenientes de decisão pessoal devem ser enfrentadas com parcimônia por aqueles que estão de fora da questão. Quando se percebe dificuldades provenientes de decisões humanas e realizadas por escolhas que não interferem negativamente nem na vida daqueles que tomaram a decisão ou os seus partícipes nessa decisão, podemos deixar que os grupos de interesses se resolvam sem a interferência indevida de parte alheia à questão. Toda decisão humana é difícil, ou seja, têm os seus prós e os seus contras, são escolhas feitas por traços de caráter."
     Hoje eu fico até amanhã contando sobre essa palestra, mas é tarde e desejo aos leitores um bom descanso.
     
     
      

domingo, 7 de maio de 2017

Dos Céus

Dos Céus

O livro,
Ouvido
De Deus

É o trigo
Florido;
Liceus

Contíguos

Dos céus.

sábado, 6 de maio de 2017

Reflexão Poética


Reflexão Poética

Se há tanto por fazer,
Que impede a reflexão,
O tempo há de querer
Pensar-se, e com razão,

Pois passa sem se ater,
Numa contradição;
É automático o ser
Que despreza a ideação

Necessária ao viver,
Cuja própria intenção
É tentar se entender
Porquê alma e coração.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Cafezinho


Cafezinho

Garoa no olhar,
Felicidade
De caminhar
Pela cidade

E ao dia saudar
Numa vontade
De se alegrar
Pela bondade

Que é se encantar
À brevidade
De adjetivar
Um café à tarde.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Entre a Informática e a Internet ? Crônica do Cotidiano

Entre a Informática e a Internet ? Crônica do Cotidiano

     Este blog qualquer hora se atrasa em consequência da informática. São dez horas e quarenta e dois minutos. Ao invés de pensar poesia, estava tratando de upgrade de celular.
     Às vezes eu penso que não sou muito inteligente por fazer upgrade de plano de celular pelo telefone. A culpa não é dos atendentes, a culpa é da informática e o caminho obrigatório para as modificações necessárias de plano.
     Acredito que boa parte dos proprietários de celular não mais trocam de aparelhos anualmente, pelo menos é este o meu caso.
     Vocês sabiam que plano de telefone celular antigo é mais caro que o moderno? Mas é o que acontece.
     Bom mesmo é atualizar o plano anualmente, perguntar se o novo plano tem fidelização de doze meses ou o usuário pode trocar de aparelho e celular quando tiver vontade.
     Faz um tempo que eu passei em frente á operadora de telefonia móvel e percebi que estava pagando mais pelo mesmo número de minutos e internet.
     Em abril alterei o plano de telefonia móvel pelo telefone, mas eu tinha chips a mais, os quais eu não usei e precisam de desabilitação.
     Espero tê-los desabilitado.
     Outra informação que eu não sabia era que é praticamente impossível logar no portal da operadora móvel com o mesmo email para dois números diferentes.
     O problema é que eu tenho mais de um chip e liguei o computador às oito horas da noite e liguei para a operadora.
     Eles são eficientes, pois o plano original já veio modificado na fatura.
     Era tantas as dúvidas e soluções que eu e as atendentes da operadora ficamos um bom tempo até resolvermos todas as questões.
     São as questões dos planos atualizados, os aparelhos de telefonia ainda bons e muitas perguntas a serem feitas.
     Fiquei entre a informática e a internet e até mesmo a noite pareceu curta.
     Boa noite e, por favor, digam se ficaram satisfeitos com a crônica.
     Eles nem fizeram a pesquisa porque demorou muito o tempo do atendimento e, a culpa foi minha, mas eu não troco de celular todos os anos.
     Fica a dica: ou se atualiza o plano mesmo mantendo o aparelho tomando-se o cuidado de não postergar a fidelização por mais doze meses, ou paga-se muito mais pelo plano antigo.
     Feita a crônica. 

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Poema Naturalista


Poema Naturalista

A idade vem,
Junto e também,
Novas vontades;

É que se tem,
Como porém,
Necessidades

Que sabe-as quem

Sente saudades.


terça-feira, 2 de maio de 2017

Intuição


Intuição


Falta de sintonia
São notas sem poesia,
Caderno a colorir


Desenhado em grafia.
Precisada, a alegria
Vem cantar, deixe-a fluir;


É que essa simpatia

São os tons que a alma está a intuir.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Palavra Candeeira



Palavra Candeeira

Se falei demais, perdoa,
Silenciada já gritava
Para ser pausada e boa.
A palavra não parava


De ser canção que se entoa
Em estúdio onde se grava
Por Deus, que vem e abençoa
O amor que se desentrava.


Todo o grão se aperfeiçoa,
Se recria em semente grada;
Não existe palavra à toa
Se Jesus dela se agrada.



sábado, 29 de abril de 2017

Boa Nova


Boa Nova

O cansaço recompensado
Da bondade feita e cumprida
Sem descuido, e o sono contado
Que a esse dia disse que o bendiga,

Cansa até pensar que é feriado,
O descanso a si se convida
A restar bem acomodado
E manter a fé bem movida.

Perceber que o que é bom, é aliado
Da ventura que é desmedida,
Que a leitura está perto e ao lado;
Experiência hoje é ler a Bíblia.